«Vou continuar a fazer biscoitos amanteigados até que a morte nos separe» : Receitas de Bolo - Bem Vinda Serafina

Receitas de Bolo | «Vou continuar a fazer biscoitos amanteigados até que a morte nos separe»

| «Vou continuar a fazer biscoitos amanteigados até que a morte nos separe» |

«Vou continuar a fazer biscoitos amanteigados até que a morte nos separe»


REPRODUÇÃO/DIVULGAÇÃO

Compartilhe:
Serafina



«Vou continuar a fazer biscoitos amanteigados até que a morte nos separe»

José Julio Badillo em sua loja embrulhando os biscoitos amanteigados um a um, trabalho que faz todos os dias. / LG

José Julio Badillo passou meio século a fazer este típico doce de Orduña com uma receita bicentenária, à frente de um negócio familiar que carece de relevo

José Julio Badillo costuma levantar-se todos os dias às quatro e meia da manhã, e uma hora depois já está nos fundos de seu negócio, localizado no centro e histórico Foru Plaza, começando a moldar os produtos, todos artesãos, com quem há décadas que entretém os seus vizinhos e visitantes de Orduña, a única localidade da Bizkaia que se pode orgulhar de ter o título oficial de cidade. De toda a oferta das Mantecadas Badillo, em que se destacam os bolos e nougats no Natal, destaca-se sem contestação o doce que dá nome ao negócio.

As mantecadas são a sobremesa mais típica e reconhecida da vila e de todo o seu ambiente, que se assemelha a um queque ou a um pasiego sobao, mas com um sabor especial, que lhe confere o cuidado na sua preparação e a frescura dos seus ingredientes. -principalmente manteiga, ovos, farinha e açúcar, juntamente com a longa história e tradição que guarda. E é que se trata de uma receita bicentenária, cujas primeiras referências remontam a nada menos que 1.800, e que a tornam única, ou melhor, inimitável, como diz o lema em sua embalagem.

O seu actual dono não sabe o nome do antepassado que o criou, e que inesperadamente transformou este pequeno e comprido bolo num doce lendário, e este negócio num dos mais ilustres da Bizkaia. O segredo de família foi revelado a José Julio pelo próprio pai, Javier, há meio século, a quem assumiu os negócios após sua morte, em 1983, sendo na época comandado por sua tia Felisa, tia Pelé, com quem passou muito tempo de mãos dadas fazendo a massa, controlando o forno e atendendo os clientes.

Como ela, esta confeiteira nunca pensa em baixar a persiana. Quase por obrigação, para manter vivo o legado, mas também porque é o que dá sentido à sua vida. Tem 62 anos e sabe que ninguém se encarregará da sua oficina, onde trabalha de sol a sol, para manter viva a tradição e para que não fique na memória dos habitantes de Orduña.

República Dominicana

«Estarei aqui como minha tia, até que ela faleça. Como freelancer, estarei fazendo biscoitos amanteigados até que a morte nos separe”, declara com um meio sorriso e bastante resignação. “Estou solteiro, não tenho filhos nem sobrinhos, por isso não haverá outra escolha”, acrescenta, sentando-se a embrulhar bolachas, uma a uma, como todos os dias.

Alguns doces que vende ao longo do ano, embora mais durante as festividades locais, “em ‘Ochomayos’, dia da Coroação, o de Nuestra Señora de la Antigua…”, conta. Apesar da crise, Badillo garante que a sua clientela “mais ou menos” se manteve, e embora ele, como os demais, esteja a sofrer com o aumento dos preços, tanto da electricidade (mantém o forno a funcionar cerca de três horas por dia), como da matéria-prima materiais (uma caixa com 30 dúzias de ovos custava 40 euros, agora 56), um quilo de biscoito amanteigado (24 euros) não o toca há dois anos. “Vamos ver se eu carrego, não sei.”

Esta iguaria fofa tem uma grande reputação. Ele ainda está enviando para alguns endereços em Madri. Tia Pele se encarregou de promovê-lo e veio encontrá-lo a mais de 6.500 quilômetros de distância. «Uma vez ele foi visitar Porto Rico, e de lá foram para a República Dominicana. Foram à Casa Vasca tomar um café e disseram-lhe: ‘vamos dar-lhe uma coisa que nos trouxeram’”, conta o sobrinho. De boca aberta, ela encontrou uma caixa com seus próprios biscoitos amanteigados, que haviam atravessado o lago sem que seu próprio dono soubesse.

primo de primeiro grau no futebol

A história destes biscoitos amanteigados de Orduña está repleta de curiosidades, e uma delas é que esta receita secreta de doçaria artesanal, sem quaisquer aditivos, foi utilizada como o primeiro prémio a terceiros no futebol em Espanha. Concretamente, era um quilo por jogador, em 1930, e foi revelado muitos anos depois pelo jornalista e escritor Lucio del Álamo, num artigo de opinião que levou a sua assinatura no jornal desportivo Marca.

O de Amurrio também era jogador de futebol. Ele jogou pelo Valladolid depois de jogar vários amistosos com o Athletic. Antes, tinha feito parte da equipa principal do Círculo Artesano, grupo da sua cidade que há 92 anos conquistou este suculento prémio ao assinar uma vitória sobre o Padura de Arrigorriaga, que permitiu ao Club Deportivo Orduña ascender ao Terceiro Preferido. Esta última entidade não hesitou em presentear os seus colegas de profissão com uma caixa de bolachas para cada um dos elementos da equipa. Um doce que continua a conquistar locais e forasteiros, e que José Julio continuará a fabricar até que a saúde e a vida o permitam.



Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Recomendamos


Outras Receitas de Bolo





Mais Recentes